Especulação Imobiliária na Praia Brava

Publicado em Praia Brava | 8 de abril de 2016 |
Canto do Morcego começa a partir da lagoa e representa toda parte norte da Praia Brava - Foto: Marcos Porto

Canto do Morcego - Praia Brava Norte - Foto: Marcos Porto

Especulação Imobiliária na Praia Brava - itajai

Especulação Imobiliária na Praia Brava - Itajai

De 5 anos pra cá, os prédios mudaram a paisagem local - Foto: Marcos Porto

De 5 anos pra cá, os prédios mudaram a paisagem local - Foto: Marcos Porto

Quem é a favor

Sem arranha-céus
— As pessoas não conhecem o efeito da nova lei, ela é melhor para o meio ambiente do que a anterior. A intenção dos proprietários é que aquilo cresça de forma ordenada e sustentável. Ninguém quer fazer arranha-céus, eles só querem seu direito de propriedade. Só irão construir onde é autorizado e se o órgão ambiental não autorizar, não vão construir. Acho difícil que se mude essa decisão — Celso Almeida da Silva, advogado que representa a Associações dos Proprietários da Praia Brava Norte (Aprobrava).

Mais preservação
— Quando a nova lei de zoneamento foi aprovada na Câmara, todos os vereadores estavam cientes da proposta. Ela não é maléfica para o norte da Praia Brava. Acredito que se está cumprindo a lei. Comparando com a anterior, essa lei é melhor. Ela protege muito mais o meio ambiente porque preserva praticamente toda primeira quadra da praia. Aprovamos com a consciência tranquila, tanto é que ela foi mantida — Osvaldo Gern, presidente da Câmara de Vereadores de Itajaí.

Lei com limites
— Sou contra a transformação da área em Área de Preservação Permanente. Não vejo que o local deva ter prédios gigantes, mas construções dentro de um limite — alega Rodrigo Baldissarela, empresário da construção civil.

Quem é contra

Natureza ameaçada
— O único lugar que sobrou foi o Canto do Morcego, um espaço de paisagem, muito bonito, onde existe ainda uma paz. Como atleta profissional de surf, que vive ligado diariamente com a natureza, fico muito triste em poder chegar de uma viagem e não ter mais o Canto do Morcego como é. Espero que a galera se reúna e consiga segurar ainda o Canto do Morcego — afirma Matheus Navarro, surfista profissional.

Legislação ambiental em jogo
— Com essa lei são permitidos usos que não condizem com a legislação. A lei não só fere as intenções iniciais que o Plano Diretor tinha, como fere o código florestal devido ao status de APP que o canto tem, além de atender os interesses bem claros desses empresários e construtoras. Essa lei foi aprovada e publicada no dia 31 de dezembro de 2012 em uma sessão extraordinária feita na câmara. Já o Plano Diretor foi construído de forma participativa e não existe motivo para comparar com a lei de 1989. A legislação de zoneamento precisa estar adequada ao plano e isso está descrito na lei — reforça Sabrina Schneider, presidente da União dos Amigos da Brava (Unibrava).

Lei precisa de nova análise
—É preciso que a Câmara de Vereadores volte a discutir o assunto e por isto eu questiono a lei de zoneamento. Sou contrária às construções no canto norte, essa área deveria ser um parque natural. Eu acho que as pessoas não deveriam se animar com essa decisão, tem muita inconsistência jurídica fazer um investimento em um imóvel neste local — afirma Anna Carolina Martins, vereadora.

Na internet

“Seguindo BC na devastação das áreas verdes. O morro do Careca já é um absurdo de se olhar. Que justiça é esta que deixa que façam o que querem a revelia da vontade popular?”
Lilian Castro, via Facebook

“É uma decisão lamentável que precisa ser revista. A indústria da construção civil não pode degradar os locais onde a natureza é a grande atração.”
Alvaro Nerto, via Blog Guarda-sol

“É uma vergonha o que estão permitindo que se faça em Itajaí. O povo tem que se unir e protestar com veemência, pois senão em breve não teremos mais áreas verdes na cidade, todas serão destruídas sob a desculpa esfarrapada do progresso.”
João do Nascimento, via Blog Guarda-Sol

***

Fonte

A eterna briga pelo sol nas areias de Balneário Camboriú

Publicado em Balneário Camboriú | 28 de dezembro de 2015 |
Sombras dos prédios na Praia Central de B. C.

Sombras dos prédios na Praia Central de B. C.

Em toda temporada de verão há essa reclamação das sombras dos prédios na praia Central de Balneário Camboriú.

Desta vez foi a Falha de São Paulo (sic) que apontou novamente essa questão do veraneio em Balneário…

É evidentemente uma questão delicada, mas percebe-se claramente que a vontade de criticar uma das cidades mais incríveis do sul do país é maior do que a de ver a situação com um enfoque mais amplo.

Assim como o Carlos Tonet comenta abaixo, eu acho essas sombras ótimas, já que o sol é reconhecidamente um dos mais fortes fatores de envelhecimento. Eu fujo do sol como posso.

Entretanto, tem aquele detalhezinho:

Desde que nasce até depois das 15hs o sol reina soberano nas areias da praia, mas o que as pessoas fazem então?

Usam guarda-sol, boné, óculos escuros e protetor solar.

Isso quando não ficam disputando espaço com as cadeiras para ficarem sob a sombra das árvores da avenida atlântica.

Vai entender azpessoa

Comentário de Carlos Tonet

Pela segunda vez em dois anos a Folha de S. Paulo dedica-se a fazer reportagem sobre a sombra dos prédios em Balneário Camboriú.

Hoje foi a foto principal da capa.

Deve ser algum repórter que passa férias por aqui e encrespou com o negócio.

Apesar do título sensacionalista, a matéria interna não diz nada com nada sobre os horários do sol e da sombra.

Essa é uma velha questão e muita gente que critica simplesmente não veraneia em BC.
As sombras acontecem depois de quatro horas da tarde e, mesmo assim, sobra muito espaço com sol.
Nesse horário, só está tomando sol quem não preza pela saúde.

As sombras no final de tarde são ótimas pra brincar com as crianças.

Perdi a conta dos livros que li na beira da praia, sob a sombra de algum prédio no final de tarde, aproveitando a brisa.

Quem fizer questão de se esturricar no sol da tarde, contrariando todas as orientações médicas, ainda encontra bastante espaço para fazê-lo.

Fonte

Praia Brava ou Praia do Corrêa?

Publicado em Praia Brava | 28 de janeiro de 2012 |

Recebi o texto abaixo por email em 1º de dezembro de 2011 do Escritor Isaque de Borba Corrêa:

“Li as suas explicações acerca dos nomes Brava e Amores. Na minha opinião esse nome “Praia dos Amores” é no fundo um nome pejorativo, haja vista as “putarias” que acontecia, em especial na Prainha (Praia do Corrêa) e Praia do Buraco. (Q.V. mapa de 1967 – BC e de Silveira Junior -1951) Como essa cidade sempre foi administrado por gente que nunca teve identidade cultural nenhuma com a nossa cidade, os nome originais para eles não significam nada. Ai qualquer abobado que coloca um nome, é aceito com a maior naturalidade em detrimento aos nomes originais.

Concluindo, acabaram institucionalizando a parte balnear da Brava com sendo a dos amores. Menos mal, para Balneário, pois empurrou para um pouco mais longe, esse nome que esconde a pejoratividade das sacanagens que até hoje permanecem.

Outro exemplo é a Praia do Coco. Coisa de um abobado que botou esse nome e acabou se espalhando e que de fato ninguém sabe onde é, mas que geralmente é atribuída à do Buraco, que por influência do forte empreendimento ali, o nome original “Buraco” está prevalecendo.

A Santa Clara, antigamente se referia, mais ao lugar – digamos a parte alodial da Praia Brava, ou seja a parte mais ao oeste – a praia em si não era tida como “Praia Santa Clara” mas sim todo aquele tabuleiro que dá acesso à praia Brava, pela parte mais ao norte.

Vamos valorizar a nossa história, nossa cultura, prestigiando os nomes originais.

Muito obrigado

Isaque de Borba Corrêa
Escritor”

Abaixo, o mapa referido acima, enviado pelo próprio Isaque (clique para ampliar):

Mapa de Balneário Camboriú de 1967

Mapa de Balneário Camboriú de 1967

Comentário

Concordo com o leitor Isaque quanto à preservação de nossa história e cultura.

Particularmente, MUITO particularmente, não vejo nada demais quanto ao nome Praia dos Amores, mesmo apesar dessas putarias que ocorriam no local. Querendo ou não, isso faz parte da natureza humana e o que chamamos de “putaria” já ditou e definiu o rumo da história por vezes e vezes ao redor do mundo. Aqui não foi diferente.

Quanto ao termo “Santa Clara”, tenho um mapa antigo aqui de Itajaí, da década de 80/90 onde consta o termo “Balneário de Santa Clara”, o que justificou meu comentário no texto sobre a história da Praia Brava. Contudo, entendi perfeitamente o comentário do leitor Isaque Corrêa e o agradeço por permitir publicá-lo aqui.

O melhor período para banho na Praia Brava

Publicado em Praia Brava | 10 de novembro de 2011 |

Esta informação serve para moradores de Itajaí ou Balneário Camboriú ou ainda para os visitantes das regiões próximas que gostam e costumam visitar a Praia Brava.

Durante cerca de uma semana por mês, a Praia Brava Itajaí fica de um jeito especial, bem calma.

Se você é um rato de praia, surfista ou outra espécie praiana, com certeza já sabe do que exponho abaixo. Porém se por outro lado você é daquele que só lembra da praia no verão quando está de férias, talvez a informação abaixo lhe seja novidade :)

No finalzinho do período da Lua Crescente e início da Lua Cheia, após as 16 horas, a maré começa a baixar e lá pelas 18 horas – o que ainda é dia no horário de verão – a Praia Brava, de forma geral revolta, fica assim:

Piscina natural na Praia Brava

Piscina natural na Praia Brava

No final da tarde começa-se a formar longas piscinas naturais na beira da areia. Ideais para crianças pequenas e crianças grandes :)

Piscina natural na Praia Brava

Piscina natural na Praia Brava

Nos meses de novembro, dezembro, janeiro e fevereiro, durante o período da Lua Cheia, a Praia Brava (e na verdade todas as outras praias) ficam ótimas para o banho até perto das 20:00.

Piscina natural na Praia Brava

Piscina natural na Praia Brava

É lógico que o sol já não estará com toda sua força. Mas se você é como eu e não vê graça em ficar lagarteando na areia, com certeza o melhor período para pegar uma prainha é no início da manhã e no finzinho da tarde.

Piscina natural na Praia Brava

Piscina natural na Praia Brava

Até porque, você deve saber, o sol é um dos principais fatores de envelhecimento precoce. Fuja do sol nos períodos de maior intensidade, isto é, das 10 da manhã até as 15:00.  Sua saúde, sua pele e principalmente sua autoestima futura agradecem.

Piscina natural na Praia Brava

Piscina natural na Praia Brava

Estas fotos estão péssimas, eu sei, só não estão piores porque a beleza do lugar e do momento ajudam :) Foram tiradas do meu celular no improviso, porém servem bem para demonstrar este raro momento que não condiz em nada com o nome da praia :)

Ponta de flecha encontrada na Praia Brava… em 1992

Publicado em Praia Brava | 18 de abril de 2011 |
Ponta de flecha encontrada na Praia Brava Itajaí

Ponta de flecha encontrada na Praia Brava Itajaí

Hoje a tarde – 18/4/11 - eu e a esposa fomos visitar o Parque Cyro Gevaerd de Balneário Camboriú. Lá, já no museu, revi as pontas de flecha dos antigos povos que habitavam essa região a cerca de 3000 anos, pela terceira vez, e lembrei que – lerdo como sou – estava devendo a foto acima para este site há muito tempo.

Encontrei a ponta de flecha acima em 1992, não sei ao certo o mês, num terreno próximo à esquina das ruas Delphim de Pádua Peixoto e Carola Coelho da Praia Brava Itajaí. Tinha somente 11 anos de idade e, como criança que era, estava brincando com meu primo e um amigo em meio aos lotes de uma Praia Brava ainda com pouquíssimas casas. Não faço a menor idéia de como ela foi parar ali.

Mas lembro bem como a encontrei. Tinha recém completado um daqueles álbuns de figurinhas daquelas que vinham em chicletes somente catando as figurinhas das embalagens dos chicletes que as pessoas jogavam no chão. Coisa de moleque. Então na época ainda estava com o cacoete de andar corcundo tentando encontrar as coisas no chão ;-) até me deparar com a flechinha acima. Guardo-a há anos com imenso carinho. É daquelas coisas que não querem dizer nada e ao mesmo tempo dizem tudo.

***

A propósito o museu do parque Cyro Gevaerd expõe algumas ossadas incríveis dos primeiros habitantes dessa região. Se não foi ainda, vá! Eram os chamados Homens do Sambaqui. Percebi que a maioria das pessoas ali no museu passava, via tudo muito rápido, com muita pressa e pouco interesse. Tudo bem que é um tema até certo ponto macabro, devido ao aspecto daquelas ossadas. Mas não conseguem enxergar o quão fantásticos são aqueles ossos e artefatos como pontes para toda uma outra realidade que já existiu por aqui. E igualmente fantásticos são aquelas fotos dos sítios arqueológicos da praia de Laranjeiras onde as ossadas foram encontradas, e também os pedaços de cerâmica e outras ferramentas de pedra, algumas polidas, outras lascadas, usadas por aquelas pessoas.

É para mim fantástico tentar imaginar – e apenas tentar porque tudo era impossivelmente simples - como era a vida daquelas pessoas. Suas histórias simples, suas alegrias, suas solidões diante de uma praia – e um continente – ainda virgem, intocado, onde viviam totalmente integrados à natureza. Como foi a vida daquelas mulheres que morreram grávidas? Me é surpreendente imaginar como era o dia a dia daquelas pessoas que existiram AQUI antes de Jesus, de Platão, de Sócrates e toda essa gente que contribuiu para a civilização chegar onde – bem ou mal – chegou!

Visitar o museu do parque Cyro Gevaerd é uma verdadeira viagem – e a melhor delas – uma viagem no tempo, a inacreditáveis 3000 anos atrás.

Copyright 2008 - 2016 PraiaBrava.info - Destinos de Santa Catarina - Litoral do Paraná - Frases Engraçadas - Kitnet em Itajaí